Menino indígena protesta na cerimônia de abertura da Copa do Mundo 16 junho 2014 Um menino indígena Guarani levantou uma bandeira dizendo 'Demarcação Já!

Sex, 20 de Junho de 2014 19:36 Acessos: 1592
Imprimir

10430468 664437280317088 2461060259250011930 n

Menino indígena protesta na cerimônia de abertura da Copa do Mundo 16 junho 2014
Um menino indígena Guarani levantou uma bandeira dizendo 'Demarcação Já!' na cerimônia de abertura da Copa do Mundo.

Um menino indígena Guarani levantou uma bandeira dizendo 'Demarcação Já!' na cerimônia de abertura da Copa do Mundo.
DA SÉRIE OIT 169
FRANCO DA ROCHA NEWS, 20 DE JUNHO DE 2014 - 16H34
COLUNA ACONTECE AGORA - www.francodarochanews.jex.com.br
Menino indígena protesta na cerimônia de abertura da Copa do Mundo 16 junho 2014
Um menino indígena Guarani levantou uma bandeira dizendo 'Demarcação Já!' na cerimônia de abertura da Copa do Mundo.
Um menino indígena Guarani levantou uma bandeira dizendo 'Demarcação Já!' na cerimônia de abertura da Copa do Mundo.
© Luiz Pires/CGY
Uma das três crianças brasileiras que lançaram pombas brancas durante a cerimônia de abertura da Copa do Mundo aproveitou a ocasião para exigir o reconhecimento dos direitos territoriais dos povos indígenas – mas seu protesto foi censurado pela FIFA.

Imediatamente depois de lançar uma pomba branca, Jeguaká Mirim, um menino indígena Guarani, levantou uma bandeira vermelha com as palavras ‘Demarcação Já!’ Mas seu corajoso protesto não foi transmitido, já que as câmeras de TV rapidamente mostraram outra parte do campo.

O pai de Jeguaká, o escritor Guarani Olívio Jekupe, disse que o ato “mostrou ao mundo que não estamos parados… Meu filho mostrou ao mundo o que precisamos: a demarcação de nossas terras.”

Os Guarani são a tribo mais numerosa do Brasil e vivem em cinco estados. Grande parte de suas terras foi roubada e está sendo usada para a criação de gado e produção de cana-de-açúcar, enquanto muitos Guarani são forçados a viver em reservas superlotadas ou em acampamentos na beira de estrada onde a desnutrição e as doenças são abundantes. Alguns, como a comunidade do Jeguaká, conhecido como Krukutu, vivem perto de áreas urbanas como São Paulo em muito pouca terra.

Como resultado da perda de suas terras, os Guarani-Kaiowá de Mato Grosso do Sul sofrem a maior taxa de suicídio do mundo, e seus líderes são atacados e mortos quando tentam reocupar partes de sua terra ancestral.

Os Guarani, Survival International e outras organizações estão pedindo ao governo brasileiro para respeitar a sua própria constituição e o direito internacional, e demarcar a terra dos Guarani para seu uso exclusivo.

Coca-Cola, um dos principais patrocinadores da Copa do Mundo, está implicada no escândalo de terras Guarani com sua compra de açúcar da gigante alimentícia estadunidense Bunge, que está comprando cana de açúcar de suas terras ancestrais. Os Guarani estão pedindo que a Coca-Cola respeite os seus direitos e acabe com essa compra imediatamente.

A imagem da Coca-Cola e FIFA foi contrastada com um homem indígena zangado instando, 'Deixe os Guarani viverem!'
A imagem da Coca-Cola e FIFA foi contrastada com um homem indígena zangado instando, 'Deixe os Guarani viverem!'
© Survival International
Para destacar a profunda ironia da promoção da Coca-Cola e FIFA da Copa do Mundo com a imagem de um índio feliz com a mensagem ‘Bem-vindos à Copa de todo mundo’, Survival criou um anúncio de paródia com Nixiwaka, um índio Yawanawa dando as boas-vindas ao ‘Lado Sombrio do Brasil’ e instando ‘Deixe os Guarani viverem!’
COM CONTEUDOS
http://www.survivalinternational.org/ultimas-noticias/10300
DA REDAÇÃO DO FRANCO DA ROCHA NEWS
EDIÇÃO:
JORNALISTA DR. JOSÉ CARLOS PEREIRA
ALTO COMISSARIO DIREITOS HUMANOS
Última atualização em Sex, 20 de Junho de 2014 20:09