DILMA ROUSSEFF E DUAS OPÇÕES: OU SE TRANSFORMA NUMA GRANDE ESTADISTA, OU EM POUCO TEMPO, SOFRE A DERROCADA TOTAL EM SUA CARREIRA POLÍTICA.

Qui, 01 de Janeiro de 2015 14:28 Acessos: 2517
Imprimir

DILMA

DILMA ROUSSEFF E DUAS OPÇÕES: OU SE TRANSFORMA NUMA GRANDE ESTADISTA, OU EM POUCO TEMPO, SOFRE A DERROCADA TOTAL EM SUA CARREIRA POLÍTICA.

Daqui há pouco, logo mais à tarde, a Doutora Dilma Rousseff, assume, para um segundo mandato como Presidente da República Federativa do Brasil, num momento em que, corre as investigações da Operação Lava a Jato, da Policia Federal, a mando do Ministério Público Federal – leia-se Procuradoria Feral da República – e que adentrou por um caminho, em sua linha de investigação, para um escaninho, que a pode comprometer, e muito mais, ao ex Presidente, Luiz Inácio Lula da Silva.

Dilma, assume, com um rejeição, que chegou aos 83 milhões de votos, se contarmos, os votos nulos, brancos, abstenções, e os votos conquistados por seu adversário nas urnas, o mineiro Aécio Neves.

Trás, no bojo de sua reeleição e posse daqui há pouco, uma série de processos advindos dos Estados Unidos da América do Norte, por força do Petrolão da Petrobrás, que prejudicou acionistas Norte Americanos, e que de bandeijada, vem entrando na Justiça Americana, pedindo o ressarcimento das perdas sofridas advindas deste escabroso escândalo, que dilapidou o patrimônio da maior empresa do Brasil, a Petrobrás.

Por outro lado, no Brasil ainda não se iniciaram as ações corando o ressarcimento de perdas e danos, de forma mais objetiva. Os mais prejudicados no Brasil, são os titulares das contas do Fundo de Garantia por tempo de Serviço, e compraram Ações da Petrobras no pico, a R$75,00, que hoje valem no mercado das Bolsas de Valores, meros R$9,90.

O Patrimônio dos trabalhadores, que confiaram na proposta do governo anterior de Luiz Inácio Lula da Silva, foi pulverizado, e difícil hoje é, recuperarem as perdas, haja vista o Poder Judiciário Brasileiro – leia-se Supremo Tribunal Federal – é muito lento em suas altas e baixas instâncias, e um processo não leva menos que dez anos.

Mas não é somente o escândalo da Petrobras, é hoje, o Calcanhar de Aquiles da Presidente Dilma Rousseff. Segundo os dados tabulados pelo IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a fome e a miséria voltam a assustar, com o crescimento desde 2003, do monte dos que foram para a linha da absoluta de pobreza e ou miséria.

Nota-se nas grandes Capitais, um aumento absurdo dos moradores de rua, famílias inteiras vivendo na indigência e se alimentando dos restos que são jogados no lixo, pelos restaurantes.

O Tráfico de drogas se avantaja de forma tal, que o numero de dependentes de substancias psicoativas aumenta de forma perigosa, o que poderá comprometer de vez, a segurança da Sociedade Civil. Com uma chamada grande imprensa pelega, que sobrevive às custas dos cofres públicos – por meio da distribuição das verbas de publicidade – e que não tem compromisso com a Sociedade Civil, o que é perigoso para a Própria Presidente Reeleita, pois vê as avessas, a realidade em que vive o povo brasileiro.

DILMA Rousseff, está com uma navalha no pescoço, no que tange à OIT 1469, que divide o território brasileiro, em 216 Nações indígenas e quilombolas. Ao contrário do muito que foi publicado, ueela tinha o prazo ate 24 de Julho de 2014, para aceitar ou rejeitar a OIT 169, erraram. A OIT 169 é um caminho sem volta, pois o antecessor de Dilma, aceitou e homologou a divisão do Brasil nestas cerca de 200 nações indígenas e quilombolas, e o Congresso Nacional sagrou esta decisão por meio da Lei 141, ainda no Governo Lula. Dilma Rousseff, em 24 de Julho de 2014, tinha que ter concluído a divisão de terras, com a demarcação dos Territórios Indígenas e Quilombolas. Ora, a partir daquela data, a qualquer momento a ONU – Organizações das Nações Unidas, poderá militarmente intervir no Brasil, para que se cumpra a resolução da OIT 169. É um caroço para Dilma tentar ao menos administrar, pois sofrer pressão de índios e quilombolas, pela demarcação das terras, hoje ocupadas por posseiro e ruralistas, que estão armados até os dentes, para impedir a tal demarcação.

Dilma vai enfrentar, o descambo generalizada da invasões promovidas pelo MST e seus filhotes urbanos. Apesar de uma modesta reforma nos Ministérios, Dilma, transformando-se em uma estadista de Direito e de fato, chamando a si as responsabilidades, poderá virar o barco.

Mas outras linhas de frente, colocam tranqueiras no seu caminho, como o crescimento da inflação, o aumento da violência, a decadência da educação, o caos que há na área da saúde, a falência total do sistema de transporte público, e mais, a rejeição que trás contra si, pelos resultados obtidos nas urnas, em 2014.

Para que Dilma se transforme numa grande Estadista, ela tem que romper com o Lulismo e a ala radical do Partido dos Trabalhadores, que mina a credibilidade do PT. Há tanta divisão do PT, que neste ano, uma nova corrente vai surgir dentro do Partido, que é o martismo Suplycismo, que vai dar muita dor de cabeça para Dilma e o PT, que perderam as eleições no Estado de São Paulo, e consequentemente formar a tríplice coroa, com o Governo Federal, O Paulista e o Municipal, com o sofrível administrador Fernando Haddad, que não possui o mínimo conhecimento de gestão para uma cidade como São Paulo, que tem um orçamento, que toda a America do Sul, juntados todos os PIB dos países sul americanos e do Caribe, formado por republiquetas dirigidas por tiranetes – só saiu desta linha o Uruguai, com o excelente governo social de José Mojica, apesar de ser o Uruguai, um centro de lavagem de dinheiro que é, pelas suas famosas contas C5.

Territorialmente, o Brasil é um continente, e financeiramente, apesar da cessação de crescimento econômico abaixo de zero, é a referência mundial abaixo dos Estados Unidos da América do Norte para o movimento das Bolsas de Valores.

Dilma, como estadista, tem a responsabilidade de tirar o Brasil da zona de pais emergente, que apesar da liderança que tem no Briks, no Grupo dos 20, e em outros setores econômicos e políticos do planeta, e isto só será possível, com o rompimento claro e efetivo, com a Revolução Bolivariana, onde foi declarada a líder maior, pelo fanfarrão Nicolau – podre – maduro, que jogou a Venezuela no ostracismo econômico, onde, apesar de grande exportador de Petróleo, não consegue fabricar nem papel higiênico.

Dilma tem que romper com os nanicos Partidos, que tem buscado em toda a sua história, receber os eflúvios financeiros das veras partidárias dadas pelo TSE.

Para ser uma Estadista de fato, tem que chamar para si, a execução da Reforma Política em seu Primeiro ano de mandato auferido pela reeleição. Não havendo reforma política, o Brasil continuará na mesma, sempre caminhando para ser, pior que a Argentina da Teresa Tanguista, que entregou o País para a Rússia.

Dilma, perdeu o pé de apoio de Cuba, para a sua implantação do Socialismo Bolivariano Brasileiro, pois sua afronta a Obama, lhe legou um ataque frontal do titer norte americano, se aliando a Raul Castro, detonando o Foro São Paulo, criado por Fidel e Lula.

Obama isolou a Venezuela, e corre boatos de que, vai propor intervenção no Brasil – estou buscando fontes seguras para tal – por conta dos escândalos da Petrobrás.

Para ser uma grande Estadista, que vai fazer história na Republica Federativa do Brasil e no Mundo, como a mulher que levou o Brasil de um país que vive no ostracismo indigente de uma Republica em desenvolvimento, para uma República, que dita as regras, referencia para todo o Planeta, para o Desenvolvimento Econômico Social e Humano.

A peteca esta com Dilma. Capacidade para isto ela tem de sobra. Resta escolher: uma estadista com Direito a um Noel da Paz, ou apenas uma mulher presidente, que se rendeu as negociatas políticas, colocando o povo brasileiro em segundo plano, ou abiaxo disso. Em frente Dilma, o povo Brasileiro confia em ti. As eleições acabaram-se, resta agora, com aprovação ou não, mudar o Brasil

JORNALISTA DR. JOSÉ CARLOS PEREIRA

TITULAR DA CADEIRA 9 QUE LEVA O SEU NOME

ACADEMIA RASILEIRA DE CIENCIA POLITICA

ALTO COMISSÁRIO PARA OS DIREITOS HUMANOS

http://ireport.cnn.com/docs/DOC-1202692

 

Última atualização em Qui, 01 de Janeiro de 2015 15:02